Sunday, October 31, 2010

Sóbrio mas Feliz

Olá, eu sou o Saguim e gosto muito de vinho tinto... (digo eu)

Olá Saguim. (respondem vocês)

Gosto tanto do rubro néctar que há uns tempos atrás a minha doce mulher lembrou-se de me oferecer um daqueles packs da Smartbox, dedicado a workshops, de modo a que pudesse aumentar os meus conhecimentos acerca do mesmo. Conhecimentos esses que neste momento estão muito perto do nulo.

Sei dizer se o vinho me sabe bem ou se me sabe menos bem. Mal, raramente sabe. Mas gostaria de deixar de fazer aquele teatro ridículo sempre que o empregado de mesa mo dá a provar num restaurante...

Normalmente faço o seguinte:

Ergo bem alto o copo no ar. Observo o líquido. É vermelho. Confere.

Bamboleio a vinhaça no copo não sei bem para quê. Dou-lhe uma cheiradela. Cheira a vinho. Confere.

Bebo um golo. Semicerro os olhos para parecer que estou a saborear os taninos ou lá o que é. Em vez disso, constato que sabe a vinho. Portanto, confere.

Faço que sim com a cabeça, com ar de entendido, e vejo o empregado servir-me a mim e à pessoa que me acompanha. Isto enquanto provavelmente o indivíduo se regozija por me ter servido a garrafa que esteve na montra durante o último mês, a apanhar sol.

Bom, vai daí, e em grande parte para evitar estas minhas figuras de palhaço, a minha mulher lembrou-se de me oferecer um pequeno curso de nome "Para quem não percebe nada de vinhos mas gostava de perceber". Nada mais adequado...

O local? Um pequeno restaurante vegetariano e, ao que parece, centro de cursos e oficinas, chamado "Bem-me-quer".

Vamos lá embora, então.

Quando alguém nos oferece um pack da Smartbox, da "Vida é Bela", ou de uma das outras 50.000 empresas que agora proporcionam uma vasta oferta de experiências, ficamos contentes quando recebemos a prenda mas depois deixamo-la "a pastar" numa gaveta até começarmos a ficar com medo que perca a validade. Comigo, foi exactamente isso que aconteceu. Apesar de gostar muitíssimo de vinho, não ao ponto de não conseguir manter um emprego ou um plano de higiene pessoal mas o suficiente para um dia ter pedido num bar "Uma caipirinha, por amor de Deus" em vez do normal "se faz favor", deixei que o pack marinasse em casa até muito recentemente.

Não que não tenha ligado há tempos a tentar reservar o curso. Liguei duas vezes. A primeira delas, os tipos estavam a preparar-se para entrar de férias. Portanto, mau timming. Já na segunda, o formador estava numa vinha e só voltaria na semana seguinte. Pensei logo: o formador está numa vinha? Ou é enólogo ou apanha uvas para ganhar uns trocos... Seja como for, deve perceber do assunto.

Só na última semana consegui finalmente marcar o tal workshop. E que contente que eu fiquei... Todos os dias antecipava o momento na minha cabeça. E, não sei bem porquê, sempre que o fazia imaginava um patusco encontro de bebedeira entre desconhecidos, brindes sucessivos, sonoras gargalhadas e muito "Se o Saguim quer ser cá da malta..." Mais prático que teórico, no fundo. Mas depois também pensava: se assim fosse haveria muito bêbado a querer reservar cursos destes porque parecendo que não acabam por pagar menos do que se fossem para a tasca beber penaltis uns a seguir aos outros... Vai daí, imaginei que às tantas o curso deveria ser menos orgia romana e mais coisa séria.

Marquei então para 29 de Outubro, última sexta, às 19h. E o que aconteceu foi mais ou menos isto...

A HORA DO SAGUIM APRESENTA:

O RELATO EBRIAMENTE CHOCANTE DO WORKSHOP "PARA QUEM NÃO PERCEBE NADA DE VINHOS MAS GOSTAVA DE PERCEBER", FREQUENTADO PELO SAGUIM NUM ESPAÇO DE NOME BASTANTE RABICHO, CHAMADO "BEM-ME-QUER"


18h20

Hoje é um grande dia! Finalmente vou fazer o meu workshop de vinhos. Até que enfim... Fartei-me de adiar e agora sim, vai acontecer. É por isso que o dia de hoje vai ficar para a História. Por isso e porque há horas atrás fui comprar uma casa... Isso também é capaz de importar: a escritura do lar onde se calhar vou viver para sempre. Nada que se compare ao vinho mas ainda assim digno de nota. Já não falta muito! Daqui a bocado é que vai ser!!!


18h30

Vim do banco e da escritura directamente para casa dos meus pais que fica mais próxima do tal sítio. "Bem-me-quer"... Não conheço. Mas também não importa. Desde que haja vinhaça, o nome até podia ser mais gay. Fecho o portátil, dou o dia de trabalho por encerrado, e preparo-me para descer a rua. Que excitação! Finalmente vou ficar um entendido na matéria e começar a mandar vinhos para trás por "não estarem em condições". AHAHAHAH... O PODER!!!


18h45

Chego à "Bem-me-quer". O restaurante está fechado. Isso e tem as luzes apagadas. Tudo bem, o workshop não há-de ser no espaço do restaurante e ainda não são 19h. Pergunto a uma senhora moradora no prédio onde ficam os escritórios em que acontecem os cursos. Ela diz-me que é ali no rés-do-chão. Eu agradeço, sempre bem educado, ansioso por beber uns canecos e perder a educação toda... Eheheheh cá estou eu. Toco à porta. Espero um bocado. Ehehehehe 'Tá quase! 'Tá quase! Ninguém abre. Ok, ainda não são 19h. Eu espero.


18h55

Já só faltam cinco minutos para as 19h e ainda não há sinais de vida dentro do estranho local. Já toquei e toquei e nem um som. O vizinho da frente, depois de certificar-se que eu não era "drógado", disse que "a senhora" tinha saído e já voltava. Não percebo exactamente o que quer ele dizer com "a senhora". Não sei se é relativo a religião ou a putedo... Mas pelo aspecto da escada do prédio inclino-me mais para a segunda hipótese. De qualquer maneira, deixo-me ficar na escada à espera. Em pulgas para afogar o meu stress num belo alentejano. Vinho, diga-se. Não num indivíduo.


18h58

Sai uma mulher do escritório. Apercebo-me rapidamente que não é "a senhora". Vem sozinha e com um sorriso parvo. Eu pergunto-lhe se é ali que dão workshops de vinhos e ela diz-me que sim. Diz que é professora de yoga e que não me abriu a porta porque não é dona daquilo. É professora mas não vem com aluno nenhum... Eu acho estranho mas agradeço e continuo à espera. Antes de se ir embora ela diz-me que "a senhora" deve estar a chegar. Eu sento-me na escada com atenção ao interruptor que volta e meia desliga-se e deixa-me às escuras.


19h00

Vou sonhando com o glamour do vinho tinto e da piela que tenciono apanhar quando chega um tipo brasileiro. Vai ser colega de formação. Ele pergunta-me se é ali a "Bem-me-quer". Eu digo que não sei mas que deve ser. Digo que "a senhora" deve estar a chegar. Vejo pela cara dele que não sabe quem é "a senhora". Mas tal como no vinho que me dão a provar no restaurante, faço o ar entendido de quem sabe e evito qualquer pergunta que ele me tenha a fazer. Fico sentado na escada enquanto ele se encosta à parede a mexer no telemóvel. Fazemos um bonito duo. A porta ao nosso lado fechada. E o workshop que devia estar a começar...


19h15

'Tá giro... Passaram-se quinze minutos e nem "senhora", nem fulano que andava nas vinhas ainda há duas semanas nem outros formandos nada. A porta continua fechada, lá em baixo o restaurante às escuras, eu sentado na escada e o brasileiro encostado à parede a mexer no telemóvel. E assim se vai passando o serão. A luz da escada apaga-se. E perante a inércia do "colega" sou eu que me levanto para a reacender. Começa a cheirar-me a esturro...


19h20

Curioso... Vinte minutos de atraso. Também não vale a pena ficar já irado. Pode ter acontecido algum acidente. Quando reservei pelo telefone pediram-me os meus contactos por isso estou certo que se pudessem ter previsto isto já me tinham ligado. É isso, de certeza que tarda nada vai entrar por aí adentro "a senhora" espavorida porque foi atropelada por uma carrinha de caixa aberta, fractura exposta em ambas as pernas, mas decidida a abrir-nos a porta e a proporcionar-nos o nosso workshop. O brasileiro continua a mexer no telemóvel sem levantar os olhos. Eu, volta e meia, bufo para ver se manifesto a minha impaciência e se troco meia dúzia de palavras com ele. Porém, sem sucesso. A luz da escada apaga-se. Quem se levanta sou eu.


19h30

Querem ver que não vai haver curso p'ra ninguém?! Mesmo que "a senhora" apareça aí com um Ford Fiesta emplastrado na nuca, não há sinal do tipo das vinhas... Se calhar ficou por lá. Deve estar neste momento a dormir de barriga para baixo no meio das videiras, com as calças pelos tornozelos e a tentar não se afogar no próprio mijo. Bêbado! A dada altura digo ao brasileiro que estou a perder a paciência e que vou telefonar para os números de telefone que estão no livro da Smartbox. Ele não me liga nenhuma e continua a mexer no telemóvel, encostado à parede. Encontro dois números: um fixo e um móvel. O fixo ninguém atende. Surpresa chocante. O móvel não está atribuído. Mau... Apaga-se a luz. PORRA QUE JÁ É DEMAIS!!!


19h35

QUE SORTE A MINHA!!! MALDIÇÃO! QUE CAIA JÁ UM METEORITO DAQUELES F****OS, QUE DERAM CABO DOS DINOSSAUROS, EM CIMA DESTA ESPELUNCA!!! Nem sinal da "senhora", nem do bêbado, nem da professora de yoga (que às tantas era mesmo "a senhora" e se baldou de maneira airosa) nem de ninguém. Estou p'raqui enfiado numa 6ª feira à noite, lado-a-lado com um indivíduo que é brasileiro, na escada de um prédio antigo que volta e meia fica às escuras E CONTINUO A NÃO PERCEBER GRANDE COISA DE VINHOS! Os moradores do prédio entram, uns após os outros, em direcção às suas casas. Nenhum deles é "a senhora" que neste momento, a chegar, não se safa de ouvir uns insultos dirigidos a ela e à família. Em vez disso, vão chegando os vizinhos, cada um mais feio que o outro. Faz-me lembrar o meu prédio em Benfica.


19h45

Vou-me embora. Despeço-me do brasileiro e atiro para o ar o clássico "Isto é uma vergonha..." Ele aproveita e vai-se embora também, lixado com a "sacanagem". Chego a casa tão sóbrio quanto saí e, há que dizer, bastante desiludido com isso.


Portanto, foi assim o meu workshop de vinhos.

Escusado será dizer que depois do feriado pingarão duas queixazinhas no atendimento ao cliente da Smartbox: uma em português do Brasil e outra em português de Portugal. E se me dá p'raí ainda pingarão mais em inglês, francês, espanhol ou madeirense. Não que saiba falar estas línguas mas sei quem sabe e decerto me farão o favor.

Estou também muito determinado a ligar para a "Bem-me-quer" e dar uma palavrinha à "senhora". Mostrar educadamente a minha indignação. E, se vier a propósito, mandá-la p'ró c*****o.

Agora, enquanto a minha mulher se ocupa com frivolidades como as obras na casa nova, as mudanças e tudo o que há a comprar, eu estudo formas criativas de me vingar desta gente. Disso e de tornar mais credível o meu teatro quando provo vinhos em restaurantes.

Penso que o segredo está no estalo da língua, após o gole...

6 comments:

Paulo Marques said...

Viva André!:)

Grande epopeia essa de um Saguim que apenas queria se tornar num ser melhor! Um conto como sempre muito bem escrito, bem fluído e de fácil leitura! Muito bom também por toda a criatividade e facilidade com que nos transportas para uma acção que se vai desenvolvendo gradualmente, até ao clímax que deixa frustrado o coitado do bem intencionado Saguim!

Um Grande Abraço e parabéns pela fluidez criativa que sempre apresentas! ;)

André Oliveira said...

Hey Paulo, obrigado pela força. Grande abraço.

Freedom said...

Adorei ler esta "aventura". Eu bem digo que isso é tudo treta e dinheiro deitado à água (ou ao vinho). Acredito que a espelunca fique perto cá de casa mas....
O que me admira é que tenhas "marcado" um evento tão desejado para um espaço vegetariano. Hummmmm, será que entenderão de vinhos ou de sumos.
Resumindo, foste levado!!!

André Oliveira said...

Fui mesmo... Mas os vegetarianos gostam de vinho! É feito de uvas que é fruta... Por isso continua a não haver justificação!

Peres said...

Ahahah, que workshop excelente!!! Ouve lá, a sério, tu tens um dom qualquer para atrair esse tipo de situações na tua vida, ahah. Não te esqueças de dizer que o vinho tem uma interessante personalidade, tem um corpo aveludado...cenas assim :P ah e pegar o copo apenas pela base e mexer, se pegares no sítio onde está o vinho, aqueces e estragas, lolol

André Oliveira said...

Obrigado pelas dicas, amigo. Aprendi agora mais contigo do que no workshop da Bem-me-quer... :D