Monday, July 16, 2012

Raisparta os putos!

Malta nova.
Não aprecio.

E digo isto com plena e total consciência de que só tenho vinte e nove primaveras, atenção. O problema é que, ao mesmo tempo, sinto que já sou idoso há um ror de anos, como aqueles putos que mal nascem e já são sócios do Benfica. A verdade é que se tiver de escolher entre seniores e juniores normalmente não hesito: ponho um comprimido para a tensão debaixo da língua e visto a camisola da terceira idade mais depressa do que lhes leva a pegar no andarilho.

Nota-se muito que estive no Optimus Alive? Pois estive.

É épica e crónica a minha dificuldade em oferecer prendas à minha mulher. Nomeadamente ao nível da escolha. No passado escrevi sobre isso neste post e lamento imenso dizer que, para não variar, TODAS as idiotices que lá referi são a mais pura verdade. É verdade também que com o tempo comecei a prestar mais atenção às pequenas dicas que ela me dá, aos mais singelos pormenores nas conversas que me podem dar ideias de coisas para lhe oferecer nos anos e noutras ocasiões especiais. No Natal passado foram os bilhetes para o Alive. Como ela estava sempre a dizer que nunca tinha ido e gostava muito de ir, aqui o super-alarve foi logo fazer despesa e comprar bilhetes de três dias. Mesmo à lambão, de peito feito. Sem a mínima noção do que estava a fazer...

Com o passar dos meses, confesso que o cartaz não me seduziu por aí além. Mas, lá está, eu nesta história era apenas o acompanhante... O presente era dela e ela tinha melhor impressão do alinhamento do que eu.

Quando a data de início começou a aproximar-se percebi que três dias seguidos, a uma média de oito horas por dia, quase sempre em pé e em contacto directo com multidões era coisa para cansar um bocadinho... É que, nos dias que correm, não sou aquilo a que se pode chamar um "animal da noite". Quer dizer, não nego que não hajam semelhanças evidentes entre mim e uma coruja... Principalmente, de manhã quando acordo. O que quero dizer é que já não sou um tipo que aguente muito na chamada "night", a beber shots como um desgraçado ou a curtir até de manhã no Lux. Quando muito posso ir para a cama com a revista Lux e estar ali a folheá-la uns quinze minutos até começar a fechar os olhos. Mas enfim, acho que já estou a ser deprimente que chegue.

Portanto, sexta-feira passada lá estavamos nós a iniciar a odisseia.
Ao olhar novamente para o cartaz reparei que grande parte das bandas eram inglesas. E escusado será dizer que fiquei logo mal disposto e com vontade de me ir embora...

Numa altura em que o país está em crise, os nossos artistas estão praticamente ao abandono e existe uma necessidade evidente em realçar os valores nacionais e fomentar o orgulho lusitano, não haviam bandas americanas disponíveis?! Tivemos de importar tudo da Grã-Bretanha?! Acho mal.

Mas, feliz ou infelizmente, não foi só a música que veio das terras de sua majestade. Já que estavam com a mão na massa aproveitaram e trouxeram também uma catrefada de bêbados que isto nunca é demais contar com malta de qualidade. E atenção que eu há uns tempos atrás também era bêbado, por isso sei do que falo. Quer dizer, não era bem bêbado, às vezes bebia uns copos. E invariavelmente ficava alcoolizado, como qualquer jovem a experimentar novas sensações pela segunda, terceira ou vigésima nona vez. Mas pagar umas boas dezenas de euros para ver os concertos de rojo e de nariz enfiado no próprio vómito parece-me demasiado idiota para ser verdade. Mas já voltamos aos amantes da pinga...

No primeiro dia, para mim, não houve muito a assinalar. Reparei que aquilo estava à pinha com hipsters, o que dá sempre um interessante e patusco colorido a qualquer festival. Para citar uma conhecida marca de telecomunicações nacional: "há uma linha que separa" um hipster de um palhaço. E essa linha é, na maior parte das vezes, muito mas muito ténue. Basta colocar um bocado de pintura facial para se passar de um para outro (isto porque o nariz batatudo e vermelho uma boa parte deles já consegue depois de um ou dois martinis).

De resto, foi tudo um pouco morninho.
Houve coisas que gostei e outras que nem por isso, como em tudo na vida. O ponto mais baixo (porque tem sempre mais piada do que o ponto mais alto) foi mesmo o concerto abjecto de uma coisa que eu não entendo e que responde pelo nome impronunciável de LMFAO. Eu assisti a isto do princípio ao fim para tentar compreender se era eu que era burro ou se aquilo é mesmo ridículo. Admito que eu seja um bocadinho burro mas PORRA se aquilo é ridículo! Dá a ideia que as carrinhas com os adereços dos tipos foram roubadas e tiveram de ir comprar tudo à pressa ao chinês. Ele é calças coloridas, ele é bolas de praia, ele é bichos insufláveis, ele é um tipo deprimente com uma caixa na cabeça... Parece "Malucos do Riso" com anfetaminas e a malta adora. A malta nova, claro está.

Ao que parece os LMFAO são dois mas só lá estava um. Não sei se o LM (talvez a sigla de Luís Miguel, não posso garantir) se o FAO (aqui perco-me completamente). Mas em vez de dois idiotas de cabeleira afro em palco estava apenas um idiota de cabeleira afro... em palco. O circo instalou-se do princípio ao fim e, à minha frente, um puto que me parecia o seleccionador Paulo Bento se o mesmo fosse anão e deficiente da cara abanava-se vigorosamente agitando a cabeça para trás e para a frente como se a sua vida dependesse disso. Quando não estava a fazer a sua dança do pica-pau, o imberbe sorvia cigarros uns atrás dos outros, com uma sofreguidão abestalhada. A rapariga que estava atrás dele e que já tinha idade para ter juízo, apesar de aparentemente estar a apreciar aquele espectáculo insano, estava muito irritada com a atitude imatura e bruta do rapaz. Isto enquanto os elementos da "banda", apenas com tangas coloridas a separá-los da nudez total, abanavam a zona pélvica com uma brutalidade estonteante. Enfim, foi com este tipo de incongruências na mente, e com as primeiras dores nos pés e nas pernas que fui de comboio para casa...

Apenas para voltar no dia seguinte! Já menos fresco e enérgico do que no dia anterior.
No Sábado, e como gosto muito dos The Cure (uma banda que, lá está, não é propriamente de "malta nova"), plantei-me às sete e meia da tarde defronte do palco principal e só saí de lá por volta das três da manhã. Portanto, acho que não preciso de referir que, ao longo das horas, experimentei um tipo de sofrimento primitivo e profundo como nunca antes. Uma espécie de morte lenta e dolorosa que parecia querer arrastar-se para a eternidade. Isto enquanto ia batendo palmas no final das músicas para agitar as artérias e evitar o ataque cardíaco que parecia iminente.
Pontos negativos deste dia: lá está, o raio dos bêbados. Quando finalmente começou a banda que eu realmente queria ver, depois de ir furando aos poucos até à linha da frente, apareceu um que estava com ganas de beijar as pessoas à força. Pelo sim pelo não, cerrei logo o punho para lhe pregar um "xoxo" caso quisesse armar-se em esperto comigo. Felizmente não lhe deu para aí. Achou mais inteligente colocar-se à minha frente a atirar a cabeça em todas as direcções, na onda daqueles cãezinhos de cabeças baloiçantes que os bimbos têm nos carros mas caso o bicho estivesse no meio de um tufão. Comparado com aquilo a dança basculante do puto anão do dia anterior, era brincadeira de crianças. Eu a certa altura, e farto de me desviar das cabeçadas do bebedolas agarrei-o pelos ombros e gritei-lhe "TAKE IT EASY!" ao ouvido. Mas isso não impediu que o gajo continuasse a fazer merda e me impedisse de ver o concerto em condições.

A dada altura apareceu outro ainda mais bêbado do que o primeiro.
Mesmo quando eu achava que a situação não podia piorar.

Ficaram amigos instantaneamente e começaram a abraçar-se e a trocar juras de amizade eterna. Estava a acontecer um espectáculo dentro do próprio espectáculo e não quisesse eu naquela altura que ambos morressem afogados em gin, ficaria muito contente. Entretanto o primeiro bêbado, como que por milagre, acalmou com a presença do segundo. Isto foram as boas notícias. Mas o segundo bêbado ganhou ainda mais vigor através do contacto com o primeiro. Isto foram as más.

Tanto vigor que a dada altura tive de agarrá-lo pelos ombros e gritar-lhe "TAKE IT EASY!" ao ouvido. O tipo pediu-me desculpa e ofereceu-me um gole da garrafa dele. Eu pedi apenas que me deixasse ouvir a música em paz. Não contente com a minha recusa, o supremo embriagado ofereceu-se para me carregar em ombros. Queria que eu me sentasse nas suas costas para assistir ao espectáculo "no primeiro andar". Assim como quem oferece um cachimbo da paz. Eu podia ter-me aproveitado do estado ébrio dele para transformá-lo numa espécie de acordeão humano. Quem me conhece sabe que não sou propriamente um peso pluma... E que bastava assentar o traseiro no pescoço do camóne para ele passar a jantar por uma palhinha para o resto da vida. Mas enfim, decidi ser o "bigger man" e voltei a declinar a oferta, mantendo-me à espera que o coma alcoólico o pusesse fora de jogo. 

Acerca dos The Cure dizer que o Robert Smith parece uma das bolas de cotão que apanho quando aspiro a sala mas que ainda assim está em boa forma. Digo musicalmente porque à primeira vista parece a madame Min. Por isso, acabou por valer a pena toda a sevícia física a que me sujeitei e o convívio próximo com jovens pinguços.

Enfim, fiquei tão destruído ao nível dos membros inferiores que no Domingo pouco aguentei. Deixei os Radiohead a tocar sozinhos e fui-me embora para o vale dos lençóis. De certeza que eles deram por isso e se calhar levaram a mal mas como quando me ponho a cantar no duche também não os vejo por perto acho que também é justo que provem do seu próprio remédio.

Além disso, fiquei com os índices de malta nova demasiado elevados no sangue.
As próximas semanas vão ser corridas a saladas para limpar isto. Saladas e uma hora de RTP Memória por dia para restaurar o equilíbrio aqui do campeão.

10 comments:

Maria D Roque said...

Bem, ainda não consegui parar de rir... estava a ler á minha filha, engasguei-me com o Paulo Bento, e estive quase meia hora para conseguir parar de chorar a rir e ler o resto... Foi mil vezes melhor do que o diazepan do costume !!!!

André Oliveira said...

Ainda bem. É que assim tudo vale mais a pena. ;)

Pedro P. said...

A descrição dos LMFAO como sendo os "Malucos do Riso mas com anfetaminas" não podia ser mais acertada.

Já sabes: no próximo Natal oferece antes um bilhete para o Teatro à esposa, que é menos intensivo.

Boa sorte agora para a desintoxicação!

André Oliveira said...

Sim, capaz de a levar a ver um espectáculo do La Féria que é mais p'ra a nossa idade... eheheh Obrigado pelo apoio. :)

Palmier Encoberto said...

AhahahhahahahaahhahahahahahaHAHAHAHAHHAHAHAHhahAHahHAH Acho que, para a próxima, deverás oferecer à tua mulher uma semaninha para dois, numa das Residências assistidas Domus Vida.
P.S. Devias ter escalado para as costas do supremo alcoolizado!

ana oliveira said...

Muito bom André... Parabéns!

Pedagogia said...

tou a aguentar me para nao dar gargalhadas ao lado do meu filho adormecido. Tb fui e tb conclui q nada tenho a ver c aquela gente jovem. O meu ponto alto da noite aconteceu qd sai dali e fui à merendeira comer caldo verde

André Oliveira said...

Eheheh obrigado a todos pela solidariedade. :D

OutraMaria said...

DE tudo isto so me dá vontade de rir, deu para perceber o quanto sofreste no meio desses bandos de teens todos alterados, essa nova especie de aves raras que pairam nos festivais... Assim sendo e por tudo que passaste vou riscar da minha lista de desejos a ida a um qualquer festival. Para ouvir musica ouço em casa ou no carro. Detesto pessoas alcoolizadas.
Espero que a tua mulher tenha gostado da tua prenda e desse teu sacrificio. Uma prova de amore :)
beijo

André Oliveira said...

Mas olha que até gostei Maria... O truque é fazer as coisas com conta, peso e medida. 3 dias a abrir, para mim, é absurdo mas o Sábado valeu mt a pena. ;)