Tuesday, July 8, 2008

Cartas de amor... quem as não tem?

Chamem-me lamechas, mas haverá coisa mais bonita do que uma comovente carta de amor? Então quando é escrita com paixão e com a ingenuidade que só uma valente catrefada de erros ortográficos e de pontuação podem transmitir... é um mimo, uma coceguinha na alma. Eu pelo menos sinto as coisas assim.

Para quem não me conhece, ou seja toda a gente menos os meus pais, eu sou um tipo que detém aquilo a que vulgarmente se chama: poder de atracção. Não sou particularmente bonito, nada interessante do ponto de vista intelectual e já houve quem dissesse que consigo ser uma besta quando visto roupa beige. Até aqui tudo normal. No entanto, e apesar de todo este handicap, também eu consigo emanar sedução e fui alvo de uma cartinha de um(a) fã, este último fim-de-semana. Não passava de uma simples folha de papel, não tinha forma de coração, não projectava o odor das flores, não estava escrito a lilás. Era apenas um simples e amoroso papel preso no limpa pára-brisas do meu carro (na realidade o carro não é meu mas sim do meu pai, que mo empresta todos os fins-de-semana. Para quem diz que sou condutor de Domingo, claramente devia estar calado porque conduzo também ao Sábado, logo essa "boca" não se aplica. Um condutor de Domingo conduz apenas ao Domingo, eu teria de ser condutor de fim-de-semana porque pego no carro ambos Sábado e Domingo. Anda para aí muito papalvo uivador a berrar disparates à porta de minha casa todos os dias a partir das nove da noite e isto é para aprender a ter tento na língua. Condutor de Domingo o cacete!). Voltando à carta... um singelo papel no limpa pára-brisas do meu carro. Tão banal e tão sexy, meu Deus! Tremi por dentro. Se a minha mulher o visse, se ela lesse o seu potencial conteúdo lascivo e ordinário, com laivos de apertões de vão de escada. Tremi de nervosismo e li, rapidamente e às escondidas, as linhas tímidas, sedentas que eram do meu amor. Diziam o seguinte:

ANORMAL
ONDE POSESTE O CÁRRO CÁBIAM DOIS
RESPEITA OSOTROS SE QUERES SER RESPEITADO

Senti-me um Don Juan.
Amarfanhei o papel e enfiei-o no bolso, não fosse alguém perguntar-me o que era. Tinha a certeza de que se tratava de uma mulher, só podia ser. A sinceridade doce, tão meiga, do início da carta... "ANORMAL"... só podia ser para mim e nunca para nenhum outro. Apenas uma senhora se dirigiria assim a um cavalheiro. Depois, a inclusão do absurdo "poseste" em vez de puseste. Uma verdadeira maravilha digna de um ensaio surrealista de Dalí. Primeiro, tratava-me por tu, o que é simpático e ajuda a quebrar o gelo em cartas como esta. Depois, o erro ortográfico cirurgicamente plantado, inserindo matreirice e infantilidade autista à coisa. Ah que excitação me causou, que mente engenhosa esta que conseguia tocar-me no local mais íntimo e longínquo do meu coração. E que dizer dos acentos mal colocados? Estariam realmente? Creio que não, nunca uma criatura tão deliciosamente inteligente o faria por descuido. São, com toda a certeza, indicadores de direcção indiciando o possível sentido da sua casa. O ninho de pecado onde certamente me esperará com propósitos pouco cristãos. Ao que parece fica para a direita. Noto depois um idioma espanholado, sem chegar realmente a sê-lo, no uso da palavra imaginária "osotros". Aqui consigo identificar um claro convite para fugirmos para Espanha. Capaz de ser bem pensado, Portugal está cheio de gente ignorante e iletrada, pessoas como nós devem levar a sua relação adúltera para bem longe. Por esta altura grossas lágrimas corriam pela minha face abaixo, fruto da comoção incontornável que o mais puro dos sentimentos, e também a mais declarada prova de trissomia 21, provoca em mim. Então entrei no carro, meti uma primeira, espetei-me violenta e repetidamente nas demais viaturas estacionadas à frente e atrás de mim como de costume e segui o meu caminho.

Mas para os mais curiosos, vou mesmo ter de dizer que não. Não cederei à tentação juvenil com aroma a pastilha de tutti frutti, presente naquele escrito pleno de simbolismo e vazio de sentido. Amo demasiado a minha mulher para deixar-me levar por namoricos inconsequentes e abrutalhados, potenciados por cartinhas de amor adolescentes. Não é com falinhas mansas que me levam à séria! Embora o "ANORMAL" do iníco tenha feito a minha vontade fraquejar... estou rodeado de românticos, pá.

6 comments:

AS said...

tens mesmo que te alistar nas produções ficticias. parabéns pela carta, pela condução civilizada e pelo texto.

André Oliveira said...

Muito obrigado pelos elogios. Já agora como chegaste a este blogue? Gostava muito das Produções Fictícias mas infelizmente nunca aconteceu... Gostei dos teus blogues. Parabéns tb. :)

Patricio Muchacho said...

Wow. Isto está simplesmente genial! Já tinha espreitado o blog, mas não me tinha apercebido que era teu.

Tu és grande.

André Oliveira said...

Companheiro Ricardo. Muito obrigado pelas tuas palavras. Sendo assim vou ter de continuar a colocar aqui parvoíces... eheheh

Pena Frenética said...

O melhor elogio a tudo isto é que qualquer dia mando-te a conta do soalho que começa a ficar gasto de eu me atirar para o chão a rir agarrado à barriga. 1 abraço.

André Oliveira said...

Este já é velhinho, amigo... Dos tempos de Benfica. ehehe